segunda-feira, 25 de junho de 2012

Processo eletrônico: quanta inteligência ganharão?

As tecnologias podem e poderão ajudar  muito o sistema processual. 

Mas, penso eu, a decisão de adotá-las não está vinculada à simples possibilidade do fazer. Quero dizer, não se deveria trabalhar com o "se é possível, então se faça!". 

Ao contrário, sempre entendi e defendi que a decisão de adotar ou não o tecnologicamente possível se dê no palco jurídico (princípio da subinstrumentalidade da tecnologia :http://jus.com.br/revista/texto/11824/o-processo-eletronico-e-o-principio-da-dupla-instrumentalidade). 


É a prevalência do "humano" e do jurídico, que, no caso, é a área fim.

Tem, portanto, razão, a meu ver, quem afirma que não deve haver rejeição das inovações sem a necessária reflexão a respeito.  Os juristas precisam analisar tudo que a tecnologia pode oferecer sem nenhuma rejeição a priori

A adoção do possível, esta sim, deverá passar pelo crivo do "humano/jurídico".

Os juristas precisam abrir espaços para os tecnólogos. Muito espaço.
E adotar, quando forem jurídicas, as soluções apontadas.