quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

PJe-JT: aberto ou fechado, eis a questão!

O Conjur publicou, hoje, importante notícia sobre requerimento da Anamatra para que se abram os códigos-fontes do PJe. A JT quer caminhar com seus próprios pés...

http://www.conjur.com.br/2013-dez-04/anamatra-liberacao-codigo-fonte-processo-eletronico

Há, a meu ver,  dois referenciais para a análise do pleito:

a) jurídico: sem dúvida, como Direito que é em imensa parte, o código dos sistemas eletrônicos deve ser aberto (ao menos nessa parte) = direito fundamental à transparência tecnológica (ver item 7 do meu artigo!)

b) técnico: a principal razão para todos sofrerem, até o momento, as imensas agruras impostas pelo PJe-JT, era a unificação sistêmica, uma reivindicação dos advogados e, aparentemente, uma imposição de racionalidade econômica.

Atendido esse pleito de abertura, racha-se ao meio a ideia, salvo pulso muito forte do CNJ.

Para quem é da área, sabe-se que a principal descoberta que pode emergir da abertura  é que o sistema não serve (problemas de concepção e desenvolvimento, que parecem, s.m.j., evidentes para quem usa e tem um mínimo de conhecimento da área). É esperar prá ver! 

Nesse caso, é melhor buscar ou fazer outro. Qualquer analista de sistemas  dirá isso. Sistemas não dão boas colchas de retalho

Eis a questão, portanto: abrir? fechar?