quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

A unanimidade paranaense contra o PJe-JT. Burra?

Quem não conhece o famoso aforisma sobre a a burrice das unanimidades?

Ardoroso defensor do processo eletrônico, preocupei-me com a carta "quase aberta" dos diretores de secretaria das 24 varas trabalhistas que atualmente funcionam com o PJe-JT.

O conteúdo da carta não é novidade. Parece certo, mesmo,  que o PJe-JT tem problemas reais, não imaginários, iniciando pela casca da usabilidade (contornável com boa vontade!)  e, também parece, nos níveis mais baixos, atinentes à concepção e ao desenvolvimento (normalização da base de dados,  aplicação adequada de metodologias de desenvolvimento, além de pouca aderência ao negócio = o processo judicial = e às necessidades dos juízes, principalmente!).  Digo "parece certo" porque, afinal, somente com fogo real se faz tanta fumaça!

Ao olhar com atenção a lista de assinaturas, descobri a falta de uma.
Portanto, não há unanimidade e, em decorrência, não existe, também, a consequência lógica da "burrice".   A manifestação, apesar da não unanimidade, e talvez por isso, deveria merecer reflexão.

Veja a Carta Quase Aberta e constate a falta de unanimidade!